(Foto: Freepik)

Suicídio entre profissionais da medicina veterinária pauta a Síndrome de Burnout

Um estudo feito pelo Sistema de Informação de Mortalidade, do Ministério da Saúde, e em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que os profissionais propensos ao suicídio são os médicos-veterinários. Considerando os fatores externos que causam a desvalorização da profissão, com salários baixos e muitas horas de trabalho, isso pode desencadear uma síndrome na qual se chama Burnout.

Do inglês, a palavra Burn significa queimar algo e out sendo com de algo de dentro para fora. Pode-se caracterizar que a síndrome é uma condição na qual o profissional está extremamente exausto emocionalmente e que de alguma forma, há consequências físicas, podendo atrapalhar o dia a dia ou até mesmo levar a uma depressão seguida de suicídio.

No Entre Clínicas, o Prof. Dr. Carlos Gabriel Almeida Dias explica sobre como diferenciar o Burnout de uma exaustão comum e até mesmo identificar os sintomas no qual o profissional deve estar atento para buscar ajuda.

A Qualittas tem como missão levar a qualidade na educação continuada a todos os médicos-veterinários do Brasil. A síndrome de Burnout sendo presente no cotidiano de muitos profissionais, a instituição deve prevenir a saúde física e mental dessas pessoas atuando na Medicina Veterinária.

Assista: